Os organizadores da campanha “Capoeira contra a fome no Brasil”.

Nós, capoeiristas do Instituto Cultural Bantu, do Ngoma Capoeira Angola, do Angoleiros Sim Sinhô, e do Projeto Semear Angoleiros, acreditamos na solidariedade. E você pode entrar nessa roda! Assim, mataremos a fome de diversas famílias, em especial das crianças que perderam a refeição escolar, muitas vezes o único alimento nutritivo do dia, por conta da suspensão das aulas presenciais.

Mestre Roxinho
Instituto Bantu
Escola de capoeira Mato Rasteiro (ECAMAR)

Edielson da Silva Miranda “Mestre Roxinho” Capoeirista há 42 anos, é formado em Desenvolvimento Comunitário (Community Work Development) TAFE Sydney Austrália 2013. Há 25 anos trabalhando com Capoeira Angola como instrumento social educativo em Mar grande, Loteamento Paraguassu, Australia, Nova Zelândia, Filipinas, Carolina do Norte.

O Instituto Cultural Bantu se localiza no loteamento Paraguaçu, em Mar Grande, Ilha de Vera Cruz, na Bahia, onde Mestre Roxinho , atende as crianças da comunidade gratuitamente. Consciente do potencial da Capoeira Angola como ferramenta socioeducativa e psicossocial, Mestre Roxinho direcionou o seu trabalho para o resgate da autoestima de crianças e jovens em vulnerabilidade social.

O Instituto Cultural Bantu atua no Brasil, nas Filipinas e na Austrália.

“Capoeira tem que ter compromisso com os seus.”

Mestre Anastácio Marrom
Ngoma Capoeira Angola

Anastácio Marrom mantém um trabalho de capoeira há 25 anos no pé do morro da Babilônia onde também fez sua moradia. Em 2020 ele abra a Casa Ngoma, um espaço socio-cultural para o estudo, prática e difusão da capoeira Angola dentro da comunidade do morro da Babilônia.

A “Casa Ngoma” é um projeto cultural e socio-educativo de Capoeira Angola, bem como outras atividades relacionadas com a cultura afro-brasileira, aprendizagem da história africana e afro-descendente, literatura, produção audiovisual, criação de instrumentos, espaço de reflexão e debate. Este projeto foi idealizado pelo Mestre Marrom e seus alunos através da compra de um terreno na comunidade da Babilônia onde ele passou a residir.

“Solidariedade na roda da vida!”

Mestre Pedro Peu
Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô

O Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô – Núcleo Zona Leste, Ermelino Matarazzo, é coordenado pelo Mestre Pedro Peu. Ele iniciou seu trabalho em 1998, no Centro de Educação Popular Nossa Senhora Aparecida, na comunidade Santa Inês. Por lá, jovens com idade entre 12 e 17 anos eram atendidos.

Atualmente, o Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô divide o espaço físico com o centro de Cultura e Arte Batakerê, dentro da comunidade Santa Inês, com aulas de capoeira e musicalidade para toda a comunidade.

Nesse momento pandêmico, as atividades culturais no espaço estão suspensas, mas o Mestre Pedro Leu segue articulando ações de combate à fome, bem como de arrecadação de produtos de higiene pessoal e limpeza para doação aos moradores da Santa Inês e parceirxs das artes.

Mestre Pingo
Grupo de Capoeira filho de Angola (projeto SEMEAR ANGOLEIROS)

Grupo de Capoeira Filhos de Angola, coordenador do projeto SEMEAR ANGOLEIROS com crianças e jovens na comunidade de Itinga em Lauro de Freitas Bahia – Brasil.

Mestre Plinio
Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô

Mestre Plinio, fundador e mestre do grupo de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô.

O Mestre Plinio começou capoeira na rua do bairro onde morava em 1979, mas foi só em 1981 que entrou numa academia mesmo. A partir daí não parou de praticar a capoeira sempre na presença de um mestre. Quando conheceu o Mestre Môa do Katendê que o disse estar preparado para desenvolver um trabalho com a capoeira. Logo depois, em 1993 encontrou o Mestre Jogo de Dentro e começou a trabalhar na Fábrica dos Sonhos onde surgiram seus primeiros alunos.